DIGA “SIM”!


Marcos 1. 16 – 20[1] e Marcos 10.17-22[2]

No mesmo instante eles deixaram as suas redes (Marcos 1.18)


Jesus nunca parou de chamar discípulos. Há milhões de seguidores no mundo todo, e diariamente novos redimidos são acrescentados a este grupo. Nós também somos chamados a segui-lo. Não como quem nunca tomou essa decisão, mas como pessoas que, dia após dia, precisam largar as redes, tomar a cruz e continuar no caminho que lava simultaneamente para morte e vida. Nesse caminho da graça, somos moldados até que Cristo seja visto em nós.

Como os pescadores, podemos aceitar esse chamado imediatamente e provar a maravilhosa história que Deus tem para cada um de nós. Pedro, André, Tiago e João talvez nunca imaginassem que, ao abandonar as redes, chegariam ao ponto em que chegaram. Eles foram transformados, capacitados, ensinados. Mais tarde, eles foram enviados com poder e autoridade para praticar e anunciar tudo o que haviam aprendido com seu mestre. Certamente sofreram, foram perseguidos e até mortos, mas deixaram um legado e uma influência que perduram até hoje, e que ainda transformam vidas. Simples pescadores, semianalfabetos e analfabetos, pobres e fedidos – com uma história que vai bem além de suas mortes.

Observe o contrate com o jovem rico, também chamado por Jesus! O rapaz era entendido dos assuntos religiosos, conhecia a Lei, tentava viver uma vida correta. No entanto, não aceitou o chamado de Cristo, e a última coisa que sabemos sobre ele em toda a história é que se afastou triste (v. 22).

Como somos nós? Como será nossa história? Como a dos pescadores ou como a do jovem? Cristo nos quer e na verdade, Ele é tudo o que queremos. A nossa felicidade, eternidade e história apenas dependem do nosso “sim”.

Vamos orar:

Jesus, és tudo o que eu desejo. A ti eu digo “sim”!

Rúben Benjamim Thiem

O.F. 06.02.11

 

[1] E, andando junto do mar da Galiléia, viu Simão, e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores.
E Jesus lhes disse: Vinde após mim, e eu farei que sejais pescadores de homens.
E, deixando logo as suas redes, o seguiram.
E, passando dali um pouco mais adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam no barco consertando as redes,
E logo os chamou. E eles, deixando o seu pai Zebedeu no barco com os jornaleiros, foram após ele.

[2] E, pondo-se a caminho, correu para ele um homem, o qual se ajoelhou diante dele, e lhe perguntou: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?
E Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Ninguém há bom senão um, que é Deus.
Tu sabes os mandamentos: Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; não defraudarás alguém; honra a teu pai e a tua mãe.
Ele, porém, respondendo, lhe disse: Mestre, tudo isso guardei desde a minha mocidade.
E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz, e segue-me.
Mas ele, pesaroso desta palavra, retirou-se triste; porque possuía muitas propriedades.

Comentário