Tome a sua Cruz


Marcos 8.34 – 18¹

Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e sigam-me (v. 34)


Jesus nunca obrigou ninguém a segui-lo, nem rogou pragas para cima de quem o rejeitou. Sempre deixou claro que isso era opcional (João 6.66ss). Também deixou claro o que significava permanecer com Ele ou abandona-lo.

Já percebemos, desde o último texto (Comtemple a Jesus e obedeça-o), que esse “permanecer” requer, antes de tudo, obediência. Não uma simples obediência que resulta da repressão das próprias vontades, mas obediência por não possuir vontade alguma além da de Cristo. É por isso que Jesus disse que aquele que quisesse acompanha-lo deveria tomar sua cruz.

Hoje usamos cruzes como enfeites nas paredes, nos colares, nos templos e nos cemitérios (nada contra o uso[i]). Não somos mais tão impactados pela função. Naquela época, quem carregava a cruz não fazia por beleza. A cruz era sinal de humilhação, e não podia ser escondida. E quem o fazia sabia que, no final, seria morto – e é exatamente o que Cristo quis dizer.

A morte para a nossa vontade, para nosso desejo e para nossa vida, quando motivada pela obediência ao Mestre, resulta em algo muito maior do que qualquer expectativa ou esperança: resulta em salvação! Pode parecer algo penoso, e o é para que tem perspectiva limitada apenas a este mundo.

No entanto, Cristo disse que estaria conosco ( Mateus 28.20), que o fardo dele é leve e que nele encontramos descanso (Mateus 11.28-30), e os que O seguem não são deste mundo (João 15-19).

Que todos nós, discípulos e discipulas, possamos, na companhia do Mestre e uns dos outros, crescer em obediência. Dessa maneira descobrimos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Assim, caminhamos para a eternidade.

Vamos orar:

Obrigado, Jesus, pela força e apoio que há em ti. Desejo ser teu discipulo e carregar a cruz, desejo a tua vida em mim.

Rúben Benjamim Thiem

 

¹ E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me.
Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará.
Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?
Ou, que daria o homem pelo resgate da sua alma?
Porquanto, qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.

O.F. 05.02.11

[i] Itálico de Dom Markos Leal – A Igreja Episcopal Cristã Brasileira não tem nada contra o uso de ícones e símbolos cristãos.

Comentário